Lê a nossa página e vê o que fazemos!

25 novembro, 2011

O Recruta

As turmas do 5ºJ, 5º L e 6º D estão a ler "O Recruta". No dia 30, na sala de audiovisuais,  responderão ao um questionário promovido pela Porto Editora.

Para quem não gosta de ler...


... Este livro vicia!

Sinopse:
Os agentes da CHERUB têm todos menos de dezassete anos. Vestem calças de ganga e t-shirts, e parecem crianças perfeitamente normais¿ mas não são.
Eles são profissionais treinados, enviados para missões de espionagem contra terroristas e traficantes de drogas temidos internacionalmente.
Mas, para efeitos oficiais, estas crianças NÃO EXISTEM.

James é o mais recente recruta da CHERUB. É brilhante a matemática e a CHERUB precisa dele. Esperam-no cem dias de recruta.
A aventura está a começar...

23 novembro, 2011

Acordo Ortográfico - Guia Prático

http://aeiou.visao.pt/guia-pratico-para-perceber-o-acordo-ortografico=f543723

S. Martinho dos Tempos Modernos

Ainda a propósito do S. Martinho...
A turma do Sexto Ano, turma E recriou a lenda de S. Martinho, desta maneira:

Num dia em que a mãe natureza chorava desalmadamente… Bem, esta é uma história moderna… Então, não chorava desalmadamente, mas chorava “bué”.
Retomando: chovia bué e apareceu um militar, com uma capa preta. Na cabeça, trazia uma boina bem moderna. De que cor? Cor de boina…. Calçado, tinha umas botifarras, número 45, com biqueira de aço.
Era realmente um belo militar. O seu nome era Martinho.
Tinha um cavalo, mas esse era de pau e servia para ele brincar no seu quarto, nos seus tempos livres. Na rua andava de carro elétrico descapotável e óculos de sol…. O problema era a chuva. Coitado do Martinho! Precisava mesmo de um milagre…
Depois de andar alguns quilómetros, parou num semáforo e enquanto esperava a maravilhosa cor verde, reparou num senhor muito bem vestidinho e muito preocupado, pois estava a molhar o seu impecável fato de marca.
Logo de seguida, Martinho pensou:
- Esta é a minha oportunidade de fazer uma boa ação.
Abriu o vidro do seu carro e perguntou àquele distinto senhor se o poderia ajudar.
- Oh, que maravilha. Assim já não estrago o meu fato Armani.
Assim que ele entrou no carro, a chuva parou e no céu surgiu um belo arco-íris rodeado de um sol brilhante.
Para comemorar esse milagre, o senhor levou Martinho à sua luxuosa casa, para fazerem um grande magusto com castanhas quentes e boas.
E é por isso, que nestes tempos modernos se comem as castanhas.
Oh que rico São Martinho!    

Texto coletivo elaborado pelo 6º E

22 novembro, 2011

Rosa Lobato de Faria

Rosa Lobato de Faria nasceu em Lisboa em Abril de 1932. Poeta e romancista, o essencial da sua poesia está reunido no volume Poemas Escolhidos e Dispersos, de 1997. Escreveu vários romances, de entre eles O Prenúncio das Águas (1999), A Flor do Sal (2005), A Alma Trocada (2007) e A Estrela de Gonçalo Enes (2007). Publicou também diversos livros infantis. Foi traduzida em Espanha, França e Alemanha e está em várias colectâneas de contos, em Portugal e no exterior.
Ficou conhecida do grande público como atriz de televisão e de cinema.
Em 2000, obteve o Prémio Máxima de Literatura. As Esquinas do Tempo é o seu primeiro romance publicado no Brasil.

Clube de Leitura

Mais uma sessão do Clube de Leitura, para analisar "As Esquinas do Tempo" de Rosa Lobato de Faria. A sessão realiza-se na Biblioteca da nossa escola, na próxima sexta-feira, dia 25 de Novembro, pelas 21h.

Sinopse:
"Quando Margarida chegou à Casa da Azenha teve aquela sensação, não desconhecida, mas sempre inquietante, de já ter estado ali".


Margarida, uma jovem professora de matemática de Lisboa, vai para Vila Real proferir uma palestra e fica hospedada numa pousada. Em seu quarto, está pendurada uma pintura de um homem muito parecido com Miguel, sua atual paixão. Na manhã seguinte, por um inexplicável mistério, ela acorda cem anos atrás, na casa de seus antepassados. Sem perder a consciência de quem é, ela odeia esta volta no tempo, mas aos poucos vai-se adaptando. Conhece o homem do quadro e apaixona-se por ele. Após um acidente fatal, Margarida regressa ao presente.

21 novembro, 2011

Dorothy Hodgkins


Nasceu no Cairo, capital do Egito (1910-1994) e distinguiu-se na Química, tendo recebido o Prémio Nobel,  em 1964, pelo seu trabalho na área da cristalografia. Com Marie Curie é uma das quatro mulheres que até aos dias de hoje recebeu o Prémio Nobel da Química. Eis a imagem da pequena exposição que se realizou na nossa Biblioteca

Marie Curie

Em 2011, comemora-se o centenário da atribuição do Prémio Nobel da Química a Marie Curie.  Esta física polonesa, nascida Maria Skodowska, foi a primeira mulher a receber este galardão. Destacou-se como investigadora, numa época em que as universidades eram do domínio masculino. Com a colaboração do seu marido, Pierre Curie, dedicou-se ao estudo da radioatividade.
Aqui vos deixamos uma imagem da pequena homenagem realizada na nossa Biblioteca.

18 novembro, 2011

S. Martinho

Acerca do assunto, escreve o conceituado etnólogo Ernesto Veiga de Oliveira (1910-1990) o seguinte: «O S. Martinho, como o dia de Todos os Santos, é também uma ocasião de magustos, o que parece relacioná-lo originariamente com o culto dos mortos (como as celebrações de Todos os Santos e Fiéis Defuntos). Mas ele é hoje sobretudo a festa do vinho, a data em que se inaugura o vinho novo, se atestam as pipas, celebrada em muitas partes com procissões de bêbados de licenciosidade autorizada, parodiando cortejos religiosos em versão báquica, que entram nas adegas, bebem e brincam livremente e são a glorificação das figuras destacadas da bebedice local constituída em burlescas irmandades. Por vezes uma dos homens, outra das mulheres, em alguns casos a celebração fracciona-se em dois dias: o de S. Martinho para os homens e o de Santa Bebiana para as mulheres (Beira Baixa). As pessoas dão aos festeiros vinho e castanhas. O S. Martinho é também ocasião de matança de porco.» (in As Festas. Passeio pelo calendário, Fundação Calouste Gulbenkian, 1987)

Outono

Eis-nos no Outono. É uma das estações do ano em que as cores da natureza parecem convidar o nosso olhar. Haja tempo para reparar em tanta beleza. Alguns alunos da nossa escola redigiram alguns poemas sobre esta estação do ano.